Um pouco de mim

Minha foto
Salvador, Bahia, Brazil
Professora de química que gosta de utilizar as Tecnologias de Informação e Comincação como ferramenta pedagógica.

domingo, 10 de outubro de 2010

Esgoto bacana e ecológico

Se você é do tipo que faz cara feia quando ouve a palavra esgoto, está na hora de rever seus conceitos. É incrível como pouca gente faz a conexão entre saneamento básico e meio ambiente, mas esse é um tema que deveria – e precisa – ser encarado com mais seriedade e, especialmente, com um olhar mais ecológico. No Brasil, esgoto que segue para redes coletoras e de tratamento é coisa rara, mesmo nas grandes cidades. Daí, a importância de pensarmos em soluções sustentáveis para um problema realmente básico.

Com algumas técnicas simples de permacultura e bioconstrução, é possível transformar “aquela coisa nojenta” em... paisagismo! Há dezenas de opções, acredite. É possível, por exemplo, tratar de forma diferente as águas cinzas (de chuveiros, pias, cozinha e lavanderia) e as águas negras (bacias sanitárias). Assim, o volume de efluentes que realmente com maior potencial poluidor diminui, reduzindo também o dimensionamento do sistema de esgoto e, claro, os custos envolvidos na obra.

As águas cinzas, em geral, contêm resíduos de produtos de limpeza e gordura. Esses efluentes podem ser encaminhados para uma caixa de gordura e, depois, levados por tubulação com furinhos (que vai permitir a infiltração lenta da água no solo, sem contaminá-lo) até um círculo de plantas que precisam de bastante água e têm folhas largas (como bananeiras e taiobas, por exemplo). Essas plantas captam a água do solo e levam para as folhas, onde viram vapor e voltam para a atmosfera. Dependendo do volume de águas cinzas, um círculo com três ou quatro bananeiras dá conta dos efluentes de uma ou duas casas. Imagine isso em favelas ou moradias mais precárias... Além de resolver o problema do esgoto, o sistema também fornece alimento para as famílias – sem falar que ainda deixam o ambiente mais agradável, com vegetação.

Já as águas negras pedem um tratamento um pouco mais complexo, mas não menos handmade. Há os sistemas de zonas de raízes, que são tanques impermeabilizados com lonas plásticas, que recebem camadas de brita, pedras menores, areia e terra adubada. A água entra por baixo, por tubos com furinhos, e vai subindo lentamente pelas camadas até chegar à terra, onde podem ser plantadas diversas espécies de plantas. As mais indicadas são as plantas de águas alagadas, como lírio, taboa, junco, papiro, íris. O resultado é um jardim que funciona como uma estação de tratamento de esgoto. Simples assim.

Com esses sistemas, é possível tratar o esgoto no próprio terreno, ou construir pequenas e médias estações para tratar o esgoto de um conjunto de casas. Na permacultura, a preferência é sempre por plantas comestíveis, que trazem ao menos duas boas funções para o sistema: tratar os efluentes e fornecer alimentos. Mas é claro que outras vantagens são incorporadas e oferecidas no pacote: mais vegetação, menos doenças causadas pelo contato com água poluída, melhor qualidade do ar e do ambiente urbano.

São técnicas ideias para áreas de habitação precária, um dos grandes desafios do nosso século, com o crescimento das cidades, as migrações, a superpopulação etc. Não custam caro e podem ser improvisados (no bom sentido da palavra) com materiais disponíveis localmente. São bem fáceis de serem construídos e têm manutenção igualmente simples.
Há ainda quem trate os efluentes por zonas de raízes e reserve o excedente de água tratada para irrigação e outros usos não potáveis. Em assentamentos humanos sem infraestrutura urbana, são ótimas soluções. Para os curiosos, a internet está cheia de bons exemplos, a um click. Quer tentar?

Foto: estação de tratamento de esgoto da ecovila Findhorn, Escócia. Viu como dá para ser bacana?!

Fonte: Planeta Sustentavel

3 comentários:

Anônimo disse...

Exelente a sua divulgaçao, estou adiando inclusive a construçao da minha casa porque nao sei o que fazer com o esgoto.
Se voce puder me mandar outras alternativas, como executa-las ou contratar alguem que execute, faça contato: mariadebivar@hotmail.com
Aguardo resposta

Soraia Oliveira disse...

Tem um artigo no site Como tudo funciona sobre Casa Sustentável. Acesse http://ambiente.hsw.uol.com.br/casa-sustentavel2.htm
Espero que sejá útil,
Um abraço
Soraia

Soraia Oliveira disse...

Oi, Maria:

Boa tarde! Você me pediu outras alternativas, de como executar ou contratar alguém que execute, a construção de uma casa sustentável. Na época sugeri um artigo no site Como tudo funciona sobre Casa Sustentável. Disponível em http://ambiente.hsw.uol.com.br/casa-sustentavel2.htm
Hoje eu visitei o site http://www.recriarcomvoce.com.br e que tem as informações que precisa. Espero que seja útil,
Abrç
Soraia

Postar um comentário